Uber Files: empresa manipulou dados para despistar autoridades

Empresa utilizou duas ferramentas externas para atrapalhar investigações com ela, revela jornal Guardian

A Uber utilizou ferramentas internas para manipular dados e atrapalhar ou despistar investigações relacionadas à empresa ao redor da Europa, de acordo com novas revelações publicadas nesta terça-feira (12.jul) pelo jornal britânico The Guardian.

O Uber Files é uma série publicada pelo Guardian em parceria com o Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos (ICIJ) e outros 42 veículos de mídia internacionais. Os documentos internos fazem parte de uma base de dados da Uber entre 2013 e 2017, e vazados pelo ex-diretor senior Mark MacGann ao jornal.

O QUE ACONTECEU: Segundo o jornal, após o começo de uma investigação dinamarquesa sobre a Uber em 2015, a empresa usou uma ferramenta chamada Greyball para evitar que autoridades europeias investigassem internamente o aplicativo.

Essa ferramenta utilizava dados de geolocalização, informações de cartão de crédito, contas de mídia social e outros dados para identificar autoridades, potencialmente ferindo leis de proteção de dados. Com isso, fornecia uma versão falsa do aplicativo, mostrando carros fantasmas que nunca chegariam ao usuário.

Zac de Kievit, diretor jurídico europeu, sugeriu que a empresa poderia evitar a investigação “administrando nossa tecnologia… para impedir que os policiais/táxis encomendassem caronas”. Em 2017, a Uber disse que pararia de usar o Greyball, algo que não aconteceu, segundo o jornal.

A empresa também tentou usar o God View, ferramenta que dá acesso em tempo real à localização do usuário, para frustrar operações em flagrante. Ainda em 2014, a empresa disse que restringiria o acesso ao God View apenas a funcionários.

Gore-Coty, diretor da empresa na Europa, pediu que funcionários monitorassem o God View toda vez que houvesse uma operação em flagrante, fazendo com que autoridades “achassem que estavam chegando em algum lugar” com carros fantasmas no aplicativo.

O QUE DIZ A UBER: Um porta-voz do ex-CEO da Uber Travis Kalanick disse ao Guardian nunca ter aprovado o uso do Greyball contra autoridades, complementando que o programa foi feito para proteger motoristas de agressões e assédios de taxistas.

Edição Sérgio Spagnuolo

Faça parte da conversa

Reações de apoiadores
carregando reações...

Apoie o Núcleo para publicar seu comentário, reagir à matéria e participar da conversa. Caso já seja apoiador ou apoiadora, faça login abaixo sem senha, usando apenas seu email.


Veja nossas publicações abertas

Você se inscreveu no Núcleo Jornalismo
Legal ter você de volta! Seu login está feito.
Ótimo! Você se inscreveu com sucesso.
Seu link expirou
Sucesso! Veja seu email para o link mágico de login. Não é preciso senha.
Por favor digite ao menos 3 caracteres 0 Resultados da busca