Youtubers de extrema-direita tentam migrar para plataformas de vídeo alternativas
Arte: Rodolfo Almeida

Alvo de moderação no YouTube, influenciadores da extrema-direita ensaia ocupar redes mais lenientes, como Rumble e Cos.TV, mas migração ainda não decolou

Desde 2021, figuras conhecidas da extrema-direita no YouTube tentam migrar para redes de vídeo alternativas e com moderação mais leniente – principalmente em momentos nos quais a plataforma do Google apertou a moderação ou perto de decisões judiciais contra fake news.

Para o Núcleo, agência de dados Novelo analisou menções a duas redes alternativas – Rumble e Cos.TV – em vídeos publicados no YouTube por canais populares da extrema-direita, e identificou picos que coincidem com banimentos ou endurecimento de regras de moderação do YouTube.


É importante porque...

Tentativa de migração de plataformas pela extrema-direita mostra que moderação de redes maiores tem incomodado

Movimento elucida novas plataformas e tecnologias que estão sendo escolhidas para tal migração


Foi identificado que, a partir de jan.2021, iniciou-se uma tentativa silenciosa de migração, e canais como Vlog do Lisboa, NTD Português e Instituto Plínio Corrêa de Oliveira criaram canais no Rumble e passaram a colocar o link nas descrições dos vídeos no YouTube.

Em mai.2021, a tentativa de migração fica mais explícita, quando o influencer bolsonarista, eleito deputado federal em 2022, Gustavo Gayer (PL-GO) publica vídeo com o título "Não podemos ficar só no YouTube" e chamando para sua recém-inaugurada conta na Cos.TV.

Quatro dias antes, Gayer já tinha publicado seu primeiro vídeo na Cos.TV atacando a ministra do STF (Supremo Tribunal Federal), Rosa Weber.

Na esteira do anúncio de Gayer, outros canais da extrema-direita tentaram levar seus espectadores para Cos.TV ou Rumble – este último que ganhou mais notoriedade no último ano, após o jornalista Glenn Greenwald ter lançado um canal por lá, que já conta com cerca de 300 mil inscritos.

Depois de Greenwald, o polemista profissional Monark também criou um canal, que agora tem 250 mil inscritos.

Pesquisa aponta dados sobre usuários do Rumble
Não é uma surpresa, mas os pesquisadores identificaram que o público da rede é composto por homens, brancos, de direita, com 30 a 49 anos

TENTATIVA FRUSTRADA

Dados sobre o Rumble analisados pela NoveloData mostram que há picos de atividade acerca dessa rede, mas que, apesar da convocação aberta dos próprios youtubers, a migração não atraiu grandes resultados.

Sobre Rumble, em volume de buscas por termos específicos, é possível enxergar algumas altas no interesse pela plataforma:

  • out.2021 – possivelmente ligado à decisão do YouTube de endurecer regras contra desinformação sobre vacinas –  e depois outro em abr.2022;
  • foi também em out.2021 que o ministro Alexandre de Moraes, do STF, determinou a prisão preventiva do blogueiro bolsonarista Allan dos Santos, que é pioneiro em migrar para plataformas alternativas por ser banido das mais tradicionais pela Justiça;
  • em mar.2022, o YouTube divulgou uma atualização de suas diretrizes de comunidade referentes às eleições para além de regras que já existiam, como a proibição de certos conteúdos que desinformam;
  • em abr.2022 acabou sendo o melhor mês em volume de vídeos publicados pelos canais alternativos monitorados.
Ajude o Núcleo a fazer investigações relevantes. Custa apenas R$10.

PICO DE INTERESSE: Abr.2022 é um mês bem notável, registrando um dos picos de maior interesse, segundo a Novelo.

Esse pico coincide com dois eventos:

  • a limpeza em vídeos de YouTube que atacava a Justiça Eleitoral que foi revelada pelo jornalista Guilherme Felitti (e que gerou ameaças contra ele);
  • a estreia no Rumble do MonarkTalks, programa de entrevistas do Monark após ele ter sido banido do Youtube.

Nesse mesmo mês, também, o STF condenou o então deputado federal bolsonarista Daniel Silveira (PTB-RJ) por ataques feitos a integrantes da corte em vídeos publicados em suas redes sociais.

Mas o movimento que era crescente perdeu força nos meses seguintes, ficando abaixo de 500 vídeos publicados por mês. Em set.2022 e depois dez.2022 - período de campanha eleitoral -, o volume de vídeos cresce pontualmente.

Em out.2022, o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) determinou que o Youtube desmonetizasse os canais do Brasil Paralelo, Folha Política, Foco do Brasil e DR. News.

Em dez.2022, o crescimento está ligado à ação mais contundente do Youtube para desmonetizar ou banir canais golpistas, como foi o caso do então comentarista da Jovem Pan Paulo Figueiredo.

Economize tempo e esforço no seu dia a dia. Conheça as newsletters do Núcleo.

COS.TV

No Cos.TV, o movimento é semelhante: houve dois picos de volume de vídeos. O primeiro é em mai.2021, quando Gustavo Gayer estreia na rede social outro começando em jan.2022, quando os youtubers Lisboa e EdRaposo tentam engatar na plataforma.

Mas, desde abril, o movimento só caiu. Em dez.2022, foram apenas 331 vídeos publicados contra 714 no auge.

No canal de Gayer, com mais de 60.600 inscritos, há vídeos que atacam a Justiça e o presidente Lula (PT), além do ministro da Justiça, Flávio Dino (PSB). Em uma das publicações, o deputado bolsonarista diz que a extrema-direita está sendo censurada e ensino os usuários a inscreverem e deixar comentários monetizados, por meio de criptomoedas, nos vídeos.

CONTEÚDO

O Rumble é a plataforma de vídeos preferida pela extrema-direita mundial por se vender como um local livre de censura.

Entre os vídeos mais virais no Rumble em todo mundo, na quarta-feira (18.jan.2023), estava o "Oeste sem filtro" do canal da Revista Oeste, com 267 mil visualizações e mais de 300 comentários.

O programa é apresentado por Augusto Nunes, Ana Paula Henkel, Guilherme Fiuza e Silvio Navarro, demitidos da Jovem Pan após o canal receber uma série de sanções judiciais.

Os apresentadores discorrem sobre uma suposta censura do judiciário, elogiaram Glenn Greenwald e atacam ministros do governo Lula.

No início desta semana, a Revista Oeste foi desmonetizada pelo YouTube por “conteúdo nocivo”.

Ao definir sua política de conteúdos nocivos, o YouTube diz não permitir “conteúdo que incentive atividades ilegais ou perigosas com risco de danos físicos graves ou de morte”. As regras também se aplicam a links externos, segundo a plataforma.

💡
Levantamento conjunto entre o jornal O Globo, Novelo Data e Bites mostrou, no ano passado, que canais alinhados ao ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) faturaram até R$1 milhão com a reprodução de 1.960 vídeos no YouTube, que renderam 57,9 milhões de visualizações. Gayer foi um dos que mais lucraram.
Texto Laís Martins e Sofia Schurig
Arte e gráficos Rodolfo Almeida
Edição Julianna Granjeia e Sérgio Spagnulo

Veja nossas publicações abertas

Você se inscreveu no Núcleo Jornalismo
Legal ter você de volta! Seu login está feito.
Ótimo! Você se inscreveu com sucesso.
Seu link expirou
Sucesso! Veja seu email para o link mágico de login. Não é preciso senha.
Por favor digite ao menos 3 caracteres 0 Resultados da busca